Começa amanhã o curso “A Nouvelle Vague Francesa”, ministrada pelo Prof. Sérgio Alpendre, na Escola no Cinema do Espaço Itaú de Cinema em São Paulo.

As aulas serão às quartas e sextas feiras, das 19h30 às 23h, de 7 a 30 de junho de 2017.

O curso pretende apresentar e contextualizar os maiores momentos desse movimento essencial para entendermos a explosão do cinema moderno nos anos 1960.

De acordo com estudiosos, o período principal da Nouvelle Vague está compreendido entre 1959 e 1963, quando vemos os primeiros filmes que jovens cineastas realizaram a partir de diversas influências.

Estudaremos desde a influência do cinema americano nos cinéfilos franceses do pós-guerra, até os cineastas que surgiram depois, numa geração posterior, passando pelos jovens turcos (críticos da Cahiers du Cinéma), que se diziam hitchcocko/hawksianos e depois chegariam aos seus primeiros filmes (Godard, Truffaut, Chabrol, Rivette, Rohmer) e por outros cineastas das diversas tendências que compunham a Nouvelle Vague (Resnais, Varda, Rozier).

A influência da Nouvelle Vague dentro do cinema que se fez durante e após os anos 1960 é imensurável. Praticamente todos os cinemas novos do mundo beberam na fonte dos primeiros filmes de Truffaut e Godard, do cinema novo alemão à nouvelle vague japonesa, do cinema novo brasileiro à Nova Hollywood, entre muitos outros exemplos.

Por meio de trechos de filmes, leituras de textos e análises cinematográficas, o curso vai fornecer uma base importante para que se entenda como e por que o cinema moderno nunca mais foi o mesmo depois da Nouvelle Vague.

Programa

Aula 01: 07/06 (quarta-feira)

Os antecedentes: das páginas da Cahiers du Cinéma para as telas

– A revista criada por Bazin, Doniol-Valcroze e Lo Duca.

– Os jovens turcos, críticos que adoravam o cinema clássico americano.

– A política dos autores de Truffaut, Rohmer e Rivette e o ataque ao “cinéma de qualité”.

– Renoir, Bresson, Astruc, Melville: os pais da Nouvelle Vague.

– Mônica e o Desejo (Bergman) e outros filmes que influenciaram o movimento.

– Os primeiros curtas da Nouvelle Vague e o primeiro longa de Agnès Varda.

 

Aula 02: 09/06 (sexta-feira)

François Truffaut: da crítica à direção

– Os famosos textos iconoclastas de Truffaut.

– Os primeiros passos no cinema.

– A estreia em longas: Os Incompreendidos.

– Um dos filmes mais emblemáticos da Nouvelle Vague: Jules e Jim.

– O prosseguimento da carreira até a morte em 1983.

 

Aula 03: 14/06 (quarta-feira)

Jean-Luc Godard: o enfant-terrible do cinema francês

– O cinema de provocações e a pedagogia godardiana.

– Acossado como um marco do cinema moderno.

– A literatura transposta para o cinema: O Pequeno Soldado.

– O Desprezo: uma obra-prima da fase terminal da Nouvelle Vague.

 

Aula 04: 21/06 (quarta-feira)

Claude Chabrol e Eric Rohmer

– O livro clássico de ambos sobre Hitchcock.

– Nas Garras do Vício e Os Primos: o esplendor de Claude Chabrol.

– Chabrol: diretor prolífico.

– Eric Rohmer, das páginas da Cahiers à realização, ida e volta.

– Os contos morais de Rohmer.

 

Aula 05: 23/06 (sexta-feira)

O rigor e a experimentação de Jacques Rivette

– A defesa do cinema moderno na Cahiers du Cinéma.

– Jacques Rivette e o rigor estético.

– O experimentalismo e a teatralidade.

– A relação com o cinema americano.

 

Aula 06: 28/06 (quarta-feira)

Alain Resnais, Agnès Varda, Jacques Rozier e os outros

– Noite e Neblina: filme farol da Nouvelle Vague.

– Os curtas de Resnais.

– Hiroshima Mon Amour, O Ano Passado em Marienbad e Muriel.

– Agnès Varda e a margem esquerda da Nouvelle Vague.

– Cléo das 5 às 7 e As Duas Faces da Felicidade.

– Adieu Philippine, um clássico injustiçado de Jacques Rozier.

 

Aula 07: 30/06 (sexta-feira)

Rumos seguintes dos principais diretores da Nouvelle Vague

– Os filmes de Truffaut e Godard que marcaram a divisão de posturas e propostas.

– Grupo Dziga Vertov (Godard) e A Noite Americana (Truffaut) marcando a maior oposição entre os dois diretores.

– Os últimos filmes de Truffaut coincidem com a nova fase de Godard (1980-1983).

– Chabrol, Rohmer, Rivette, Resnais, Varda: anos depois.

– Pialat, Garrel, Doillon e outros diretores da geração seguinte.

Professor

Sérgio Alpendre é crítico de cinema, professor, pesquisador e jornalista. Escreve para a Folha de S.Paulo. Edita a Revista Interlúdio (www.revistainterludio.com.br) e mantém o blog de cinema sergioalpendre.com. Doutorando em cinema pela UAM – Universidade Anhembi-Morumbi. Ministra cursos de história do cinema e oficinas de crítica por todo o Brasil.

Informações

Período

De 07 a 30/06 de 2017

Quarta e sexta, das 19h30 às 23h (sala 1)

Carga horária

7 encontros – 24h30

Formas de pagamento

Até 02/06 – R$ 450,00 ou 2 cheques de R$240,00

A partir de 03/06 – R$ 490,00 ou 2 cheques de R$260,00

Aula avulsa – R$110,00

Local

Espaço Itaú de Cinema – Anexo Rua Augusta, 1470 – Cerqueira César – São Paulo

Vagas

30 pessoas (mínimo de 15 para a realização do curso)

Inscrições

https://www.escolanocinema.com.br/curso-a-nouvelle-vague-francesa

(11) 3266-5115, escola@cinespaco.com.br

Rua Antônio Carlos, 288 – 1º andar