LIVRO: FRANÇOIS TRUFFAUT

 
Como já é comum nas publicações da editora Taschen, o livro “François Truffaut”, sobre o cineasta e crítico francês, é ricamente ilustrado. Os textos não representam longos ensaios da carreira filmográfica de Truffaut, mas abordam suficientemente cada uma de suas obras.
 
Em ordem cronológica, o livro começa com a infância do cineasta, identificando aspectos que se tornariam recorrentes em sua obra, como a carência do amor materno e a paixão pelo cinema. O conflito entre o provisório e o absoluto também esteve sempre presente. Os filmes entram na narrativa conforme são produzidos, mostrando um diretor que costumava trabalhar até a exaustão, emendando filme após filme. A exceção foi um sabático de dois anos entre “A Noite Americana” e “A História de Adèle H.”.
 
Jean-Pierre Léaud e Dorothée em “Amor em Fuga” (1976)
 
O autor do livro não se aprisiona em exaltar as qualidades do biografado. Suas obras são criticadas conforme seus méritos, e, por isso, nem sempre são retratados com louvores. Os resultados de público e da crítica em geral também fazem parte do relato.
 
Claire Maurier e Albert Rémy em “Os 400 Golpes” (1959)
 
 
Aprendemos no livro que, constantemente, Truffaut se apaixonava pelas suas atrizes. Jeanne Moreau, Claude Jade, Catherine Deneuve, Fanny Ardant foram algumas dessas paixões que levavam o sensível Truffaut da euforia à depressão.
“François Truffaut” é um livro fugaz que permite ao leitor assistir cada obra da filmografia do diretor tendo em conta a situação do momento de sua carreira.
 A versão traduzida disponível está em português de Portugal.

 

Título: François Truffaut
Autor: Robert Ingram e Paul Duncan (Ed.)
2004, Itália
Tradução: João Bernardo Paiva Boléo, Lisboa
Editora: Taschen GmbH