O Espetacular Homem-Aranha 2: A Vingança de Electro (The Amazing Spider Man 2, 2014)

Avaliação:
6/10
6

Informações

Crítica

O Espetacular Homem-Aranha 2: A Vingança de Electro (The Amazing Spider Man 2, 2014) Dir: Marc Webb. Rot: Alex Kurtzman, Roberto Orci  e Jeff Pinkner. Com Andrew Garfield, Emma Stone, Jamie Foxx, Dane Dehaan, Colm Feore, Felicity Jones, Paul Giamatti, Sally Field, Embeth Davidtz, Campbell Scott, Marton Csokas, Sarah Gadon, Stan Lee, Chris Cooper.

A nova trilogia do super-herói Homem-Aranha retomou novamente as origens do personagem, apenas cinco anos após o último filme da série de Sam Raimi com Tobey Maguire. Já no primeiro longa de Marc se notava que uma nova trilogia, não relacionada à anterior, seria dispensável. Como era de se esperar, o segundo filme, por não ter justamente que recontar a origem do herói, mostra uma estória mais interessante.

As vantagens de “O Espetacular Homem-Aranha” (2012) em relação à anterior trilogia se repetem aqui. O uniforme do Homem-Aranha é muito mais cool, Emma Stone é a perfeita Gwen Stacy e os efeitos visuais são mais elaborados. Os defeitos, porém, continuam. Sally Field não tem nada da fragilidade esperada da Tia May, a trama de espionagem envolvendo o cientista pai de Peter Parker continua não colando. Um dos defeitos, entretanto, foi suplantado. Talvez pelo fato de esse segundo filme ser muito dramático, Andrew Garfield se mostra um ator capaz de retratar essa angústia do protagonista.

No filme, enquanto Peter Parker vive o dilema de continuar o namoro com Gwen Stacy, colocando-a em perigo constante, um funcionário (Max Dillon) da poderosa Oscorp sofre um acidente na empresa e se transforma no vilão Electro, capaz de interagir com a energia elétrica. Após a morte de seu pai, Harry Osborn (Dane DeHaan), na busca da cura de sua doença, injeta um soro radioativo em sim mesmo, dando origem ao Duende Verde. O Homem-Aranha deverá então enfrentar esses dois supervilões.

Como em “Matar ou Morrer”, cabe à mocinha salvar o herói, em uma sequência em que Gwen Stacy tem papel essencial. Mas que não deixa de ser frustrante, principalmente em se tratando de um super-herói.

Falando novamente sobre o elenco, Dane DeHaan, que antes fez o protagonista do filme do Metallica (“Through The Never”) exala estranheza e caiu como uma luva no papel do instável Harry Osborne. No terceiro filme, veremos Paul Giamatti como Rhino, que já dá as caras aqui. Esperemos que Felicity Jones, que concorreu ao Oscar deste ano, consiga um papel maior do que a de assistente do finado Norman Osborne. Era esperado que Shailene Woodley aparecesse como Mary Jane, mas isso acabou não acontecendo – ela foi escalada como a protagonista da série “Divergente”.

Google+

x
%d blogueiros gostam disto:
Pular para a barra de ferramentas